Mallorca: 4 dias no Mediterrâneo da Espanha!!!

Mallorca, a maior ilha do arquipélago espanhol da  Illes Balears, localizada no Mar Mediterrâneo ocidental, por Rafael Facina!

Mallorca, junho de 2018

 Minha viagem de quatro dias para Mallorca foi definida duas semanas antes da data de partida, bem em cima da hora. A princípio eu planejara ir em um pacote junto com meus colegas de time de futebol de Munique, onde moro há quase sete anos. Mas por falta de vaga disponível, resolvi ir nos mesmos dias, só que fazendo um roteiro completamente diferente do deles, e pra isso aluguei um carro e reservei um hotel localizado praticamente do outro lado da ilha.

 

Dia 1: meu voo partiu de Munique bem cedo, às 5:50h da manhã. Pouco depois das 8:00h eu já estava em um café do lado de fora do aeroporto fazendo meu “desayuno”. No próprio aeroporto eu retirei o carro que havia reservado para os quarto dias. A estrutura de locação de automóveis na ilha é fantástica, embora o valor do aluguel não seja obviamente dos mais baratos que se possa encontrar. O aeroporto possui um galpão exclusivo para as principais locadoras europeias, cada uma com seu setor dentro desse galpão. E por toda a ilha existem locadoras menores, que além de automóveis, locam motocicletas de várias categorias, quadriciclos e bikes.

Carro na mão, parti para Playa de Palma, onde meus colegas de futebol estavam. Depois de encontrá-los para uma cerveja, fui procurar um lugar na beira da praia onde pudesse almoçar e ver o jogo do Brasil contra a Costa Rica pela Copa do Mundo. Não sem antes admirar a praia: água verde transparente, faixa de areia curta, mas bem branca e fina, e um bom trecho pra dentro da água com baixa profundidade. Acharia bem ideal para famílias com crianças pequenas, não fosse o fato de que essa praia de Mallorca é frequentada por uma grande quantidade de alemães em busca de agitação noturna. A maioria por lá é de solteiros na faixa dos 20/30 anos, que curtem a praia durante o dia e as boates durante a noite. Encontrei por acaso um bar/restaurante excelente, aparentemente holandês, com opções deliciosas de steaks e smoothies – depois da cerveja com os amigos, só bebidas não alcoólicas, já que eu ainda teria que dirigir até o meu hotel. O bar se chama Gran Cafe Del Mar,  fica bem na orla da Playa de Palma.

Vista do terraço do Hotel Hispania, em Playa de Palma

Vitória do Brasil, comida e bebida excelentes, hora de ir pro hotel na praia de Canyamel, a uma hora de carro em relação à Palma de Mallorca. Canyamel Park & Spa Hotel, excelente quatro estrelas localizado a menos de 200m da beira da praia de Canyamel, um paraíso como vários outros que encontrei na ilha, um lugar excelente para se hospedar com a família. Fiz o check-in às 17:00h e como era verão, dias longos, ainda consegui curtir a praia, onde conheci um salva-vidas argentino chamado Pablo, mega gente boa, que alugava pranchas de stand-up paddle. Por 10 Euros dá pra fazer uma hora do esporte. Depois de ouvir várias orientações e cair algumas vezes, comecei a dominar o negócio, e a partir de então passou a ser bem divertido. O resultado foi que em todos os outros dias lá estava eu de volta no fim da tarde para uma hora de SUP – sem cair mais nenhuma vez! rs

Depois de um bom banho, jantei no hotel e voltei pra caminhar na praia ao pôr-do-sol. Na caminhada, encontrei um hotel chamado Melbeach Hotel & Spa, que disponibiliza um lounge na areia da praia, a céu aberto, e tava rolando música ao vivo: um cara tocando Sting e outras músicas nesse estilo dos anos 80 com uma qualidade de dar inveja. Duas taças de espumante curtindo a música até anoitecer fecharam o dia em grande estilo.

 

 

 

 Dia 2: Acordei cedo e logo após o café da manhã peguei estrada para conhecer a praia de Santanyí, dica da viajada e sempre de bom gosto Adriana Pasini. E como valeu a pena seguir a dica! Que praia! Uma enseada bem pequena, de águas cristalinas, frequência predominante de famílias e locais, e onde existe inclusive uma escola de mergulho junto à vila de pescadores. De Canyamel leva-se cerca de 40 minutos até Santanyí. Há um estacionamento gratuito subindo em direção ao mirante de Es Pontás, onde estacionei o carro e desci até a praia. Após um mergulho revigorante nas águas paradisíacas de Santanyí, escolhi ao acaso um dos restaurantes à beira da praia. E como valeu a salada de queijo de cabra com nozes e mel, acompanhada de uma porção generosa de camarões ao alho e óleo, além de um smoothie de abacaxi muito bem preparado, tudo com uma vista pra lá de privilegiada. O nome do restaurante? Hostal Playa. Recomendo!

Cala de Santanyí, vista de perto do estacionamento.

Conta paga, hora de subir até o rochedo de Es Pontás. As fotos falam por si.

Seguindo uma dica recebida da simpática atendente da locadora no primeiro dia, reservei a tarde para visitar a praia de Son Serra de Marina. No entanto, essa praia me decepcionou bastante. Talvez eu tenha ido num dia ruim, mas o vento excessivo e as águas com marolas inconvenientes que removiam as algas e davam às águas um aspecto feio fizeram com que eu sequer saltasse do carro. Rumei de volta à Canyamel e fui  novamente aproveitar a maravilhosa praia onde eu estava hospedado, sem esquecer de mais uma hora curtindo o SUP. Ainda sobrou tempo para secar a Alemanha contra a Suécia no meio da enorme turma de alemães que estava no mesmo hotel… mas nessa partida eles levaram a melhor (rs).

 

Dia 3: Decidi espontaneamente conhecer o lado mais ao nordeste da ilha, onde fica a praia de Formentor. Depois do regado café da manhã, pé na estrada! Haviam me falado muito bem da Playa del Muro, e como era no caminho, parei por lá pra conhecer. Tal como a praia de Son Serra de Marina (elas são praticamente uma extensão uma da outra), não me empolguei muito com a Playa del Muro. Mas o lugar é bem movimentado, hotel para tudo que é lado, restaurantes, um comércio realmente bem vasto. Acredito que à noite tenha bastante badalação para esses lados. Vi fotos bonitas dessas praias, mas infelizmemte não estavam assim nos dias que as visitei. Não me demorei muito e peguei de novo a estrada rumo a Formentor. A serra que se atravessa pra chegar à ponta nordeste de Mallorca é muito bonita, com um mirante de tirar o fôlego no cume. E do outro lado, mais uma praia paradisíaca! Formentor vale a pena conhecer, mesmo com a desvantagem de ter que pagar um estacionamento nada barato (5 euros por cerca de duas horas e meia). Uma dica importante para quem não gosta de fast food: leve uma cesta de piquenique, porque o único restaurante de lá é nível beira de estrada, bem fraco. Após muitos mergulhos e uma soneca revigorante na areia à sombra das árvores, rumei de volta à Canyamel, não sem antes parar no mirante para algumas fotos. Já em Canyamel, lá fui eu de novo para o SUP. Desta vez, mais confiante e por dica preciosa do Pablo, remei mar adentro e dei a volta numa das extremidades da enseada, até chegar a uma gruta na costa. Muito bacana entrar com a prancha dentro da gruta e escutar a acústica das águas com as pedras. Após o jantar, esperei pela última vez na ilha o cair da noite na praia, já lamentando o iminente retorno para casa no dia seguinte.

 

 

 

 

 

Dia 4: Acordar, “desayunar”, fazer o check-out. Hora de conhecer o lado norte da ilha, a parte mais montanhosa, antes de rumar para o aeroporto no fim do dia. Programei o GPS para Port de Sóller, uma outra enseada do outro lado da Serra de Tramuntana. Imaginei que do alto da serra eu teria uma vista maravilhosa do mar, mas a serra fica na verdade não tão à beira do mar, e existe uma outra cadeia menor de montanhas que impede a vista direta para o mar. Para quem gosta de estradas cheias de curvas acentuadas, vale a pena abrir mão de pegar o túnel e optar pelo caminho sinuoso da serra. Port de Sóller é outra praia bem bonita e tranquila, nada lotada, frequentado por famílias com crianças pequenas e inúmeros restaurantes na orla. Escolhi o do Hotel Marina la Playa, e pedi uma inesquecível salada com abacate e pesto. Em seguida, subi até o farol de uma das pontas da enseada pra fazer mais alguns registros fotográficos da beleza do local. Como ainda havia tempo suficiente, decidi fazer algo inicialmente não planejado: visitar Palma de Mallorca. Joguei o nome da cidade no GPS e fui, sem nem saber o que tinha pra ver lá. A rota me levou direto para a Catedral de Mallorca, no Paseo Maritimo. A imponente construção católica me chamou a atenção de dentro do carro, e resolvi parar no estacionamento bem em frente. E valeu! Não só a catedral, mas as ruas pequenas que existem atrás dela e que levam ao centro histórico de Palma são lindas. Aproveitei para comprar uns souvenirs e tomar um sorvete. Chegada a hora, pus-me a caminho do aeroporto e logo já estava embarcando. Dentro do avião, já no ar, deu ainda pra ver um pôr do sol dos mais exuberantes que se pode admirar, e reconhecer do alto o formato do pontal de Formentor. Mallorca é, definitivamente, um destino a se repetir em breve!

 

Catedral de Mallorca, em Palma

 

Antes de terminar esse relato, compartilho alguns custos da viagem, lembrando que eu estava sozinho e não fui muito econômico, ou seja, dá para sair bem mais em conta se forem outras as circunstâncias:

 

  • Aluguel do carro por 4 dias, um Peugeot 2008 com GPS e seguro total, pegando e entregando no aeroporto: 303,47 Euros.
  • Combustível, rodando cerca de 550 Km à gasolina: 60,00 Euros.
  • Hotel 4 estrelas, 3 diárias de quarto individual, com café da manhã e jantar incluídos: 285,27 Euros.
  • Média dos almoços em diferentes restaurantes: 20,00 Euros.
  • Estacionamento (só precisei pagar em Formentor e Palma, um total de aproximadamente 4 horas): 11,00 Euros.
  • Passagem de avião Munique-Palma-Munique (low cost, levando só um mochilão): 100,00 Euros. 

   

 

 

 

Deixe uma resposta

Comment
Name*
Mail*
Website*