Estrelas no céu da boca – o fascínio da Champagne!

Le blanc des blancs  –  o branco dos brancos,  à base de Chardonay,  a espumante mais desejada do mundo é produzida tão somente em Champagne,  com absoluto rigor!

No nordeste da frança, a 140km de Paris, está a região vinícola mais prestigiada e cara do mundo: Champagne.

Em francês, o nome da bebida Champagne é masculino; o nome da região Champagne é feminino.
O domínio- appellation – não é apenas do nome da bebida de luxo mas também do método – champenoise – utilizado para se chegar à complexidade do resultado, considerando que o Champagne é “transformado” na própria garrafa e não em barris de carvalho ou tonéis de aço como os demais vinhos.
Criada por um monge, Dom Pérignon, diz a lenda que, a iguaria teria sido idealizada para agradar aos pobres que pouco podiam consumir. E que o religioso, após inumeráveis erros e acertos, ao experimentar a versão final do vinho com borbulhas teria exclamado: é como ter estrelas no céu da boca.
As principais cidades da região, Reims e Épernay, exibem, cada uma a sua maneira, o que representa a bebida no mundo.
Reims, a maior vila, mantém boa parte das casas produtoras, a exemplo da Maisons Madame Pommery, Taitinger e Veuve Cliquot.
Épernay concentra maior renda per capita da França e conserva os outros grandes nomes, além da rua mais bebível do mundo, segundo Winston Churchill, la Avenue des Champagnes, com as clássicas Maisons Moët & Chandon, Perrier-Jouët e a Mercier (que oferece o charmoso passeio pela crayère de trem)!
Entre as duas cidades ficam os vinhedos, identificados e organizados conforme a idade das vinhas. Ou seja, na visita não dá pra abrir mão de nenhuma das cidades, ou mesmo do caminho entre elas.
Em tempos de guerra ou de paz, para celebrar o amor ou ainda suportar a dor, uma taça de champanhe é a melhor opção para o momento.

Les Crayères

10°C. O grau da Champagne. Da produção, conservação e deguste. Produzida com mínima incidência de luz, no interior das Crayères – grandes grutas de calcário, geralmente no subsolo das grandes maisons produtoras, cada garrafa do luxuoso espumante é cuidadosamente girada em 90° duas vezes ao dia, durante 2 meses para, só então, ser trocada a rolha de metal pela cortiça.
A visita às Crayères é, sem dúvida, o ponto alto do passeio à Champagne.
  •  Da horinha: A visita guiada às caves inclui a Crayèree e a degustação de uma taça do Champagne. Preço médio: 16euros. A garrafa pode ser adquirida pelo preço médio de 32 euros. As lojinhas das maisons (caves) oferecem diversos produtos relacionados ao Champagne.
A pé ou por meio de um pequeno e vintage trem, o turista pode conhecer o mundo mágico da elaboração do Champagne e participar da intimidade da transformação do vinho nas bolhas que mais parecem estrelas no céu da boca.

Assim, com este mini post, o “Saiu de Viagem” brinda a todos com os melhores votos para 2018!!!

Feliz ano novo!!! ??

Em breve, post completo sobre a região de Champagne no Saiu de Viagem. 

 

Deixe uma resposta

Comment
Name*
Mail*
Website*