Lisboa: o Chiado de Pessoa e o Bairro Alto !

O Chiado é  história, é arte, é tradição. É o bairro mais representativo de Lisboa.

Desde sempre o Chiado foi reduto de vários poetas, escritores e boêmios. Suas centenas de bares, cafés e restaurantes pitorescos sempre deram guarida a renomados intelectuais e personalidades diversas. 

O Chiado fica entre o Bairro Alto e a Baixa de Lisboa, bem no coração da capital, e por ser eclético é um dos lugares mais frequentados pelos turistas, de todos as tendências, que se curvam diante de sua diversidade, beleza e faceta. É sempre atual, sempre artístico e cosmopolita, com suas ruas animadas, prédios históricos e belas vistas. É um bairro para todos os gostos e bolsos, do mais alternativo ao mais luxuoso, quase uma unanimidade. O Chiado abriga, ainda, teatros, igrejas, museus, livrarias, galerias, lojas e monumentos históricos.

Um violento incêndio devastou o Chiado em 1988. A zona mais artística do bairro chegou a perder parte dos prédios históricos, que datavam do século XVIII. O Chiado precisou se reerguer, prédios  atingidos pelo fogo tiveram que ser reconstruídos e restaurados. Felizmente, hoje o bairro voltou a ser um importante centro de comércio, um das áreas mais internacionais, globais, de Lisboa e sua distinta alegria continua a imperar!

O que tem para fazer no Chiado?

Ande, caminhe, passeie olhando para todos os lados. Veja com a alma e repare nos detalhes. Perceba sua rotina, desenhos e frases. Sinta seus cheiros e sabores. Esbarre com o tradicional e com o moderno, eles vivem em harmonia por aqui.

Chega-se ao bairro de várias formas: subindo pelas ruas inclinadas próximas ao centro comercial  Armazéns do Chiado, pelo Elevador da Santa Justa e também pela estação do metrô Baixa Chiado.

  • Dica: dentro do shopping Armazéns do Chiado, um espaço com 3 andares,  há um elevador gratuito que nos transporta diretamente ao nível da famosa rua Garrett.

Caminhando pela Rua Garrett, em direção ao Largo do Chiado, não deixe de entrar na Livraria Bertrand, que surgiu em 1732. Segundo o Guinness Book, é a mais antiga livraria do mundo em funcionamento.  A livraria é um charme, um espaço acolhedor, de leitura e relaxamento, por onde passaram os mais ilustres e importantes escritores. No final da livraria, a sala Fernando Pessoa convida a folhear alguns livros e desfrutar das delícias de sua pequena cafeteria.

  • Quando efetua uma compra na Bertrand, o cliente pode optar, gratuitamente, por um carimbo da livraria na primeira página do livro, dando créditos que a compra do exemplar aconteceu neste famoso estabelecimento.

Um pouco mais à frente, na esquina do mesmo lado da calçada, está a loja da Benetton. No 4º andar da loja está exposto um dos primeiros elevadores da Europa, um belo exemplar com mais de um século, datado de 1888.

Alguns metros adiante, na praça de saída da estação do metrô, está a estátua do famoso taberneiro, e antigo proprietário do estabelecimento onde hoje fica o Armazéns do Chiado, que dá nome ao bairro.

 

 

Nesta mesma praça, Fernando Pessoa, um dos maiores poetas da Língua Portuguesa, e ilustre frequentador do centenário Café A Brasileira,  está imortalizado numa notável estátua de bronze, assinada pela escultor Lisboeta Lagoa Henriques. Sente-se ao lado de Pessoa para um café, ou uma foto!

Não há personalidade mais presente nas ruas da capital portuguesa, em especial no Chiado, do que a de Fernando Pessoa.  Ele é, inclusive, o autor de um guia turístico de Lisboa, intitulado “What The Tourist Should See” ,escrito originalmente em inglês.  

Caso não queira gastar muio no Café A Brasileira, atravesse a rua, longo em frente, e vá ao Sacolinha, uma pastelaria e padaria com produtos de alta qualidade e a preços muito mais acessíveis.

 

 

Dê uma entrada na Basílica dos Mártires, igreja do séguclo XII, reconstruída após o terremoto de 1755, e local onde se realizou o batismo de Fernando Pessoa.

São muitas as estátuas de figuras literárias no Chiado, mas a estátua de Luís de Camões, poeta maior , imortal da literatura portuguesa, autor da epopeia marítima Os Lusíadas, destaca-se um pouco mais adiante, ao centro do largo com seu nome. A Praça Luís de Camões é o marco que separa o Chiado do Bairro Alto, e é ponto de parada de um dos bondinhos mais famosos de Lisboa, o elétrico 28, que passeia pelos principais pontos históricos.

          

  • O Consulado Brasileiro também fica junto à praça Luís de Camões.

Suba e desça mais algumas ruas e chegue ao Largo do Carmo, palco da célebre Revolução de 25 de abril de 1974. Essa aconchegante praça fica em frente à  Igreja e Convento do Carmo, prédios do século 14 destruídos no grande terremoto de 1755, cujas ruínas de seus arcos formam uma belíssima obra.

  • Vale a visita às ruínas e  Museu Arqueológico do Carmo, que apresenta uma maquete de como a igreja era originalmente, bem como exposição de peças pré-históricas portuguesas, túmulos góticos, romanos e inclusive múmias  (aberto a partir das 10h, ao custo de € 3 a entrada).  

 

Ao lado da Igreja, está o Quartel do Carmo, pertencente à Guarda Nacional Republicana, que às 11h das quartas-feiras faz a troca da sua guarda.

 

 

Próximo ao Convento, seguindo em direção ao Elevador de Santa Justa, está o mais novo miradouro de Lisboa, um terraço com varanda e e cadeiras onde é possível beber e petiscar com uma vista privilegiada sobre a cidade. Visita obrigatória para qualquer lisboeta ou turista de carteirinha. O Elevador de Santa Justa, construído em 1902, é um ícone de Lisboa e transporta passageiros do Largo do Carmo à Baixa de Lisboa, mais precisamente à Rua do Ouro, ou Áurea.

 

Um pouco mais adiante, ainda no Largo do Carmo, está o antigo Palácio Valadares, um edifício onde foi fundada a primeira universidade de Portugal, antes de ser transferida para Coimbra.

 

Caminhe sobre as pedras portuguesas passando pelas diversas praças, museus e Teatros do Chiado.  Repare no antigo Teatro da  Trindade, palco de famosas óperas e operetas. Aprecie as lindas fachadas de azulejos dos edifícios, em especial a antiga fachada mais fotografada de Lisboa, que data de 1863, e fica o Largo Rafael Bordalo Pinheiro.

Voltando à Praça Luís de Camões, siga pelo Bairro Alto em direção à Rua da Bica de Duarte Belo. É na Rua da Bica que fica o lendário funicular, o tradicional Elevador da Bica, que liga a Travessa do Cabral ao Largo do Calhariz. Não sei se chega a tanto, mas em fevereiro de 2017 foi eleita por um site americano como a rua mais bela do mundo, ao lado da Champs-Élysées de Paris e a 5ª Avenida de Nova Iorque.

Após uma parada para admirar e fotografar o funicular da Rua da Bica, siga até a próxima rua, a Marechal Saldanha, e vire à esquerda. Repare no bucólico barzinho junto ao trevo com a rua do Almada e siga por ela. Continue seguindo e passe pelas travessas do Sequeiro, da Laranjeira e suba pela Travessa da Portuguesa até a Rua Mal. Saldanha novamente. São travessas bem típicas, cada uma com uma silhueta própria, uma característica pessoal. Caminhe com calma, apreciando cada uma delas.

No final da rua, logo após o Museu da Farmácia, fica o Miradouro de  Santa Catarina, ou Miradouro do Adamastor. Uma praça com uma vista maravilhosa do Tejo e parte do porto de Lisboa. Imagino que o por-do-sol dali deve ser algo deslumbrante!

O Bairro Alto é a alegria de Lisboa, onde amigos se encontram, local para um café ou jantar, para um chá ou cerveja, um bairro para percorrer à pé e desfrutar. De dia um bairro mais residencial, mais tranquilo, mas à noite, logo após o por-do-sol, um local ideal para ser ponto de encontro, tanto de lisboetas quanto de turistas, ávidos para curtirem a animada noite de Lisboa.

Difícil saber onde começa e termina exatamente o Bairro Alto, Príncipe Real e Chiado, mas uma coisa é certa, a vida noturna é ali. Você pode optar por entrar no primeiro bar ou quiosque, ou simplesmente ir seguindo, literalmente de bar em bar, se deliciando com todas as opções disponíveis, escutando uma música aqui e ali, curtindo vários cantinhos, e quem sabe a lua te faça companhia também!

“O povo português é, essencialmente, cosmopolita. Nunca um verdadeiro português foi português: foi sempre tudo.”  (Fernando Pessoa, Portugal entre Passado e Futuro)

É isso, brindemos ao Pessoa,  a Lisboa e em especial, um brinde ao Chiado e redondezas!

 

 

Adriana Pasini  (Idealizadora do Saiu de Viagem) :  Tributarista por formação, esta paulista com coração brasiliense, desde muito cedo começou suas andanças pelo mundo. Filha de pais pesquisadores, sua primeira viagem internacional foi aos 10 meses de vida, para Londres, onde morou por mais de 5 anos.

Na adolescência voltou para a Inglaterra, onde terminou o nível médio em Oxford e aproveitou para fazer bicos e juntar um dinheirinho para, aos 16 anos, fazer uma  viagem “sozinha” pela Europa. De lá pra cá, dividiu-se entre Brasília, a advocacia e mais viagens, mas há 6 anos resolveu dedicar-se exclusivamente à perambular pelo mundo com o seu marido.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

5 comments to Lisboa: o Chiado de Pessoa e o Bairro Alto !

  • Telma

    Show de conhecimento e história!!! Parabéns, Drizinha!!! Adorei!!!

    Reply
  • Rosana Radicchi

    Oi!!Adriana estou amando ler as suas dicas em Portugal, já comprei passagens para passar 10 dias aí em março, gostaria de saber , dar para andar a pé por Lisboa? O metrô funciona bem? É melhor ir como para Porto?
    Eu ,Radicchi, Rosane, Rogério Vaz e minha irmã com marido, vamos alugar um apartamento para ficar melhor acomodado.
    Continue escrevendo estou gostando bastante. Beijos

    Reply
    • Saiu de Viagem

      Rosana, é super fácil andar em Lisboa ! O metrô e trens funcionam muito bem e as linhas servem à todos os lugares ! A gente vai de metrô ou trem até uma parada próximo depois vai caminhando para conhecer melhor! Para o Porto o trem também funciona muito bem! Iremos ao Porto em outubro e vou postar aqui os detalhes!!!!?

      Reply
  • Rosângela Pegas

    Amei as dicas Dri! Estou anotando tudo para a viagem de outubro. Vc fez esse roteiro em dois dias ou dá para fazer em um dia? Beijinhos

    Reply
    • Saiu de Viagem

      Pode ser feito em um dia tranquilamente ! Fizemos em dois porque aproveitamos para resolver assuntos em banco e demais demandas nos outros horários !

      Reply

Deixe uma resposta

Comment
Name*
Mail*
Website*