Lisboa do Descobrimento: do Mosteiro à Torre!

Lisboa, manhã de domingo, um delicioso passeio pelo bairro do descobrimento, recheado de belos monumentos e com o sabor tradicional dos pastéis de Belém!

Iniciamos, nosso dia em Lisboa, seguindo para o bairro de Belém, onde ficam o Mosteiro dos Jerônimos, a Torre de Belém e o Padrão dos Descobrimentos. Da estação do Cais do Sodré pegamos o trem, por aqui comboio, em direção à Cascais, e descemos na terceira estação, a de Belém.

Após uma pequena caminhada por entre jardins, e pela graciosa Praça do Império, avistamos o imponente Mosteiro dos Jerônimos, ou Mosteiro de Santa Maria de Belém, o mais notável conjunto monástico português. Seus 300 metros de comprimento impressionam, desde o início, pela riqueza de detalhes e justificam os títulos de Monumento Nacional e Patrimônio Mundial.

  • O horário de visita, tanto do Claustro, patio interior do Mosteiro, quanto da Igreja, inicia-se às 10h. Aconselho fortemente que o visitante realmente chegue até este horário, para evitar as enormes filas que se formam na entrada. Outra dica, é comprar o bilhete “Descobertas”, que dá direito à entrada no Mosteiro e também à Torre de Belém (e nesta última, a entrada acontece por uma fila lateral, especial para quem já possui  as entradas, e bem mais célere). A entrada para o Mosteiro custa 10 euros, e o bilhete conjunto, incluindo a subida para a Torre de Belém, custa 12 euros. Atenção, o Mosteiro do Jerônimos não funciona às segundas.


 

Dentro do Mosteiro, caminhe pelo pátio quadrangular, aprecie os detalhes arquitetônicos, o piso abobadado e o teto trabalhado. O Claustro era um local de meditação e recreação para os monges, um local extremamente iluminado e aprazível. Entre no refeitório e aprecie as paredes revestidas por um silhar de azulejos. Pare diante do túmulo de Fernando Pessoa, um dos poetas mais importantes do século XX. Pare para admirar um dos antigos confessionários, e quem sabe cochichar algum pecado.

Suba as escadas e veja o pátio de cima. Se tiver a sorte de um dia ensolarado, conseguirá fotos maravilhosas do conjunto. Mas a visita é válida sob qualquer condição climática! Perca um tempinho na Sala dos Reis, um local repleto de informações cronológicas de eventos e fatos importantes que ocorreram ao longo da existência do Mosteiro, não apenas em Lisboa, Portugal, mas ao redor do Mundo. Ao descer as escadas da saída do Claustro, mais uma paradinha para admirar o teto e o painel ali exposto.

  • Qualquer época é boa para visitar Lisboa. Os seus invernos são amenos e pouco chuvosos, em comparação ao norte da Europa e seus verões são quentes e também bastante secos.

Hora de entrar na Igreja Santa Maria de Belém. De cara, logo à esquerda, está o túmulo do Vasco da Gama,  importante navegador português. Do outro lado da entrada, à direita, está o túmulo de Luís Vaz de Camões, o poeta maior da literatura portuguesa. Se chegar no horário da missa, ainda terá a chance de ouvir ao som do órgão, tão presente na liturgia cristã.

Saindo do Mosteiro do Jerônimos, é chegado o momento de deliciar-se com os famosos pasteis de Belém, na Antiga Confeitaria de Belém, logo ali ao lado. Impossível vir a Lisboa e não se render a esse docinho típico de Portugal, cuja a casca crocante envolve um delicioso recheio cremoso, servido ainda morno, e cuja receita secreta é mantida a sete chaves.  Dizem que os pastéis são originários do Mosteiro dos Jerônimos, e que os pastéis de Belém são apenas os feitos por aqui, os demais, ao longo da cidade de Lisboa, seriam nominados apenas como pasteis de nata.

Já com os pasteis de Belém devidamente devorados (ou transportados em suas próprias caixinhas, para um consumo tardio), é hora de atravessar para o outro lado avenida, pelo túnel subterrâneo para pedestres e ciclistas.

Do outro lado do túnel, você sai na frente do Padrão dos Descobrimentos, um monumento em homenagem aos navegantes descobridores, que tem a forma de uma caravela, com três grandes velas que se prolongam num bloco central e se inclinam para o Tejo. É possível subir ao topo do monumento e ter uma vista privilegiada, de 360 graus.

  • O horário de abertura para a visitação no Padrão dos Descobrimentos tem início às 10h e o custo de 5 euros para o bilhete simples.

Caminhando às margens do rio Tejo, passando pela Marina, seguimos em direção à Torre de Belém, mais um importante e tradicional monumento da cidade de Lisboa. Construído no século XIV, em 1983 recebeu o título de Patrimônio Mundial pela UNESCO  e também foi eleito, em 2007, como uma das 7 maravilhas de Portugal. Pode-se admirar a Torre por fora, ou entrar e visitar seus dois terraços, as celas dos prisioneiros, e os canhões que outrora visavam a proteção marítima da cidade de Lisboa.

  • A entrada para a Torre custa 10 euros, o horário de início é as 10h. Para quem adquiriu a entrada simultaneamente com a do Mosteiro, não precisa ficar na fila comum e deve se dirigir para a fila lateral, que permite o acesso bem mais rápido. Atenção, a Torre de Belém não funciona às segundas.

Se estiver com um pouco mais de tempo, e gostar de museus, nesta região há alguns e bem interessantes, como por exemplo: o Museu da Marinha  (um dos museus mais importantes de Portugal, com acervo bem variado de embarcações, documentos e milhares de peças museológicas, aberto de terça a domingo, a partir das 10h, ao custo de 6,50 euros o bilhete normal); o Museu Nacional de Coches (um dos mais visitados em Lisboa, com coleção de carruagens a partir do século XVII, aberto de terça a domingo a partir das 10h , ao custo de 8 euros o bilhete normal – para museu e picadeiro); o Museu Coleção Berardo  (instituição de referência em Lisboa, que abriga exposições temporárias e uma permanente de arte moderna e contemporânea,  ao custo de 5 euros o bilhete normal, aberto de terça a domingo, a partir das 10h). 

Deixamos o bairro de Belém, e o elétrico 15  nos deixou em frente ao Mercado da Ribeira, um edifício com uma área de aproximadamente 10 mil metros quadrados, totalmente revitalizado e ponto gastronômico da cidade de Lisboa, com pratos assinados por grandes chefes portugueses. O lugar funciona desde 1882 como um mercado de produtos alimentares, mas desde 2014, grande parte do seu espaço é dedicado especialmente à gastronomia de qualidade e criativa, com um viés cultural e que tem sido bem disputado por pessoas que procuram um local animado e descolado para uma alimentação que cabe dentro do orçamento da maioria dos viajantes.

 

 

Adriana Pasini  (Idealizadora do Saiu de Viagem) :  Tributarista por formação, esta paulista com coração brasiliense, desde muito cedo começou suas andanças pelo mundo. Filha de pais pesquisadores, sua primeira viagem internacional foi aos 10 meses de vida, para Londres, onde morou por mais de 5 anos.

Na adolescência voltou para a Inglaterra, onde terminou o nível médio em Oxford e aproveitou para fazer bicos e juntar um dinheirinho para, aos 16 anos, fazer uma  viagem “sozinha” pela Europa. De lá pra cá, dividiu-se entre Brasília, a advocacia e mais viagens, mas há 6 anos resolveu dedicar-se exclusivamente à perambular pelo mundo com o seu marido.

 

 

 

 

2 comments to Lisboa do Descobrimento: do Mosteiro à Torre!

  • Rosângela Pegas

    Parabéns, Dri! Pelo detalhamento das visitas. Já dá para imaginar cada lugarzinho a ser visitado.

    Reply
    • Saiu de Viagem

      Que bom que gostou! Aguardando por vocês em outubro!

      Reply

Deixe uma resposta

Comment
Name*
Mail*
Website*